terça-feira, 19 de maio de 2009

'Tatuagem'

Talvez hoje à noite... Talvez hoje à noite te lembres de todos os momentos que passamos juntos. Talvez hoje à noite te lembres daquela vez que nos chateamos por causa de um nome num papel pequenino dobrado em quatro. Que coisa mais estúpida. Eu na quinta feira lembrei-me desse dia. Estávamos a almoçar no boteco do costume. Acreditas que não me lembro do nome daquilo? Nem do nome do dono que fazia questão de nos vir servir quase todos os dias. Depois percebemos porquê. O porco!! Um papelinho dobrado em quatro. Porque fui eu insistir. Eu até sabia. Queria ouvir da tua boca. Que coisa mais insignificante. Disseste que eu tinha razão. Disseste que eu era melhor que tu. Porque raio é que isso não tinha a menor importância para mim? Geralmente era o meu objectivo. Ser mais que os outros. Mas daquela vez, nada poderia ter menos importância até porque, pela primeira vez na vida, eu discordava completamente. Não havia ninguém no mundo melhor que tu. Muito menos eu! Eu nem sequer estava no mesmo patamar que tu. As equipas que jogam a champions e as que jogam os regionais têm alguma hipótese de se encontrar? Tantas coisas me passaram pela cabeça ao conduzir para casa. Tão ou muito mais estúpidas que estas. Quando chegaste a tua casa falamos no messenger... Parecia não haver forma de nos entendermos. Fomos os dois teimosos. Sempre fez parte da nossa personalidade! Telefonei-te... Apenas queria que estivéssemos bem. Assinamos umas tréguas. No dia seguinte após uns momentos de alguma tensão, engolimos o orgulho e trocamos um beijo. E se alguém tivesse entrado? Eu queria lá saber. Tu eras tudo o que importava. O resto do mundo, a haver algum sismo de proporções catastróficas, acabaria por encontrar o seu sítio de novo. Tudo seria permitido desde que tu estivesses comigo! Mas tu ficarias comigo? A resposta viria mais tarde e incluiria o cataclismo no meu mundo e, talvez, no teu...
Sempre quis ser a fantasia de alguém. Sempre quis ser o sonho acordado de alguém. A dada altura pareceu-me que tudo corria bem. Descobri coisas em mim que não sabia que existiam. Sentimentos que eu não reconhecia a capacidade de poder ter. Nunca soube que tinha um sonho até começar a sonhar acordado contigo... A certa altura acho que passaste a ser mais importante para mim que eu... Ilusão! Só leva a uma coisa... É incrível como foste tudo para mim e agora não és nada.
Serás nada?!?!?!
Então como se explica que, quando olho para o Céu, pense em ti. Como se explica que, quando vejo uma flor, recorde a razão pela qual deixou de haver nós. De forma quase imperceptível, incontornável e indelével estás em tudo o que faço e na forma como percepciono tudo o resto.
Marcaste-me. Deixaste traços de ti na minha personalidade. Decididamente, és mais do que nada! Ficaste parte integrante de mim.

25 comentários:

Nanda Assis disse...

adorei estar aqui.

bjosss...

profpardal disse...

Que bonito!
Porque é que não estão junos agora? Já pensaste em lutar? Pensa que a vida são dois dias e um deles já está a acabar.

Força!

© disse...

ora aí está uma boa tatu.

e as letrinhas.... ;)

dyphia disse...

chorei ao ler este post... e apetece dizer tanta coisa e ao mesmo tempo n dizer nada... eu sei o que é ter alguem cm parte mais que integrante de mim e dói tanto saber que na vida desse alguem n fui nada, ou cm ja foi dito "niguem"

bem, acho que vou escrever um post inspirada neste post

bjs

Icon disse...

Nanda Assis: volta sempre! És bem vinda a qualquer altura!

profpardal: Obrigado!
Essa é a pergunta dos 500mil euros, a que eu, de certa forma, em posts anteriores já respondi...
Já não há luta ali. Pertence ao passado e, goste ou não, assim vai ficar.

c com ou sem bolinha: as letras... as letras...

dyphia: antes de mais, desculpa! Poças, n queria fazer ninguém chorar!!
... quem virou agora musa inspiradora? é a igualdade!!

Sofizita disse...

Quando li este post e tendo em conta a quantidade de posts a que a menina em questão já teve direito :) o que me pensei em escrever era: E que tal lutar por esse vosso "nós"? Entretanto li a pergunta da profpardal e li a tua resposta, por isso mudo e digo: Nada é impossível, basta queremos! Se é isso que tu queres, luta! O que é o pior que te pode acontecer? Ficar como estás?

Icon disse...

É um facto que a moça tem tido direito a mts posts. É um facto que eu gosto e gostarei sempre muito dela.
O que aconteceu foi muito bom mas houve razões muito fortes para acabar. Não há regresso ao passado. As circunstâncias não mudaram.
Ficar como estou não é mau. Recordo-a mas é algo bom. Já não me causa qq tipo de ansiedade.
Está ultrapassado, de certa forma.
Venha a próxima história engraçada.

Sofizita disse...

Já dizia o outro: recordar é viver! ;)

LH disse...

Icon;

Não imaginas o quanto me identifico contigo.
Se passares pelo meu blogue, verás que ando numa fase bastante complicada da minha vida.
Amo fazendo com que a outra pessoa tenha deixado de amar-me.
Tive imensas possibilidades de continuar a ter o seu amor, mas tenho a mania da insatisfação, mesmo quando pessoas mágicas estão no centro dos meus dias.
Acabei de perder a minha "mágica mor", aquela que me fez acreditar que o amor pode voltar a existir.
É por isso que escrevo sobre o que passamos. Ajuda-me a estar mais vivo, a pensar em algo que é pura e simplesmente tudo aquilo que gostaria de reviver.
Sonhos...
Um abraço.

rute disse...

O título foi muitissimo bem escolhido.

Icon disse...

Sofizita: esse outro é o maior! lol
e, já agora, tive a contar. a menina só teve direito a 7 posts... é muito?

LH: Acho que tás numa fase que eu já ultrapassei, felizmente.
Acredita que irás ultrapassar.
Posso sempre perguntar-te o que me perguntaram a mim: E porque não lutar por ela? Será ainda possível para ti?
Aconteça o que acontecer, mais à frente há melhor. O tempo ajuda muito.

rute: o título tem a sua história muito própria. Escrevi o texto e faltava-me o título... pedi ajuda!
De facto, o título está perfeito mas os louros não são para mim.
Ainda bem que fizeste o elogio. Assim, a pessoa em causa pode ver o quanto ajudou. ;)

LH disse...

Icon,

A questão é que, ao mesmo tempo que quero juito lutar, sinto-me sem forças.
Ouvires "não" vezes repetidas sem conta faz com que eu fique momentaneamente vazio.
Sabes, por esta altura, sinto-me completamente vazio. Parece que algo me varreu a alma, deixando apenas traços de um passado demasiado recente.
Eu luto e continuarei a lutar, mesmo que isso implique o meu afastamento da pessoa.´
Não achas complicado sentires que estás a ser um "incómodo" para a outra pessoa?
Isso não acaba com qualquer luta?

Um abraço.

Icon disse...

LH:
Percebo-te perfeitamente. Quando supostamente há duas pessoas dentro de um barco e só uma está a remar, dá vontade de deixar de remar.
Tens de ver se o barco ainda tem remédio. Por vezes, em casos extremos, mesmo sendo o último, até o capitão abandona o barco.
Se ela já saltou mesmo fora, talvez esteja na altura de saltares também.
Se ficares a tentar salvar um barco naufragado, não vais conseguir chegar à margem. Mais vale ir à nado sozinho do que ser apanhado pelo efeito de sucção provocado pelo barco a afundar-se.
E as memórias do barco ficarão contigo.
Um dia, talvez noutro barco, poderás usá-las para levar a coisa a bom porto!

Espera que a metáfora esteja bem conseguida. Acredita que mais à frente há melhor porque haverá com certeza!
Abraço

LH disse...

Icon,

Estou naquela fase do; "Independentemente do que ela me possa dizer, tenho de ser eu mesmo a encontrar algo suficientemente forte para mne levar a desistir!".
Parece que, por esta altura, tudo depende do que possa sugir dentro de mim.
E por agora, não surje outra ideia que não seja querer tentar.
Querer...ao menos isso.

Um abraço.

Sofizita disse...

Icon, 7 posts é capaz de ser pouco, eu num ano sou capaz de ter dedicado mais mas não as vou contar para não me assustar. :)

Icon e LH, o que vos digo aos dois é não há nada que o tempo não cure. Não se deixa de amar alguém de um dia para o outro mas com o tempo aprende-se a viver sem essa pessoa, a não partilhar o bom e o mau das nossas vidas.

Lentamente vamo-nos desintoxicando e um dia até nos cruzamos com aquela pessoa e percebemos que afinal ela até já não significa tanto para nós como aquilo que pensamos... mas claro que isso demora.

rute disse...

Estiveste muito feliz nessa metáfora.

Icon disse...

LH: Se assim é, tenta! Tenta até não achares que valha a pena tentar.

Sofizita: parece que alguém passou pelo mesmo!
eu já me sinto relativamente curado :) estou pronto para a próxima!
se houver aí candidatas podem deixar mensagem que a minha secretária entrará em contacto convosco :s (pronto... lá tinha de vir disparate!!)

rute: mt obg! :)

Sofizita disse...

Quem nunca sofreu por amor? Só algum infeliz. :)

Icon disse...

sofizita: e tu? já ultrapassaste?

Sofizita disse...

O primeiro grande amor, sim! :)))) O segundo está quase... :)))) Mas sabes que a dado momento acho que aquela pessoa só deixa de estar presente na memória quando existe outra. estou à espera do outro! ;)

Icon disse...

Sofizita: Acho que concordo contigo, até certo ponto. Quando estamos com alguém, geralmente, esquecemo-nos da pessoa anterior.
Mas quando com essa nova pessoa acaba, às vezes surpreendemo-nos pela pessoa em quem pensamos...

Icon disse...

E acho que estamos na mesma fase... :)

LH disse...

Icon E Sofiazita,

Nem sequer me passa pela cabeça outra! É impossível. E, mesmo que fosse possível, recuso-me a tal coisa.
Quero a "única", aquela que....vocês sabem.
Talvez seja verdade que esquecemos um grande amor com outra grande amor, mas não quero nem consigo tentar descobrir isso, pelo menos nos próximos tempos.
O tempo até cura tudo, mas enquanto não passa o tempo a ferida abre-se cada vez mais.
No meu caso, ainda não entrei na fase do "partir para outra".

Um beijo á menina e um abraço ao menino.

Icon disse...

LH: acho que me vou limitar a usar um chavão: Dá tempo ao tempo! ;)
abraço

Sofizita disse...

LH, concordo com o Icon: Dá tempo, ao tempo. Do que me parece, o fim da tua relação ainda é muito recente. Para chegar a essa fase que falamos, ainda demora.

Quando acabei a relãção com a pessoa que acreditava que ia ficar para o resto da vida, achei mesmo que ia ficar sozinha para sempre. Não queria mais ninguém e só essa ideia de ter outro homem agoniava-me. :)) Pois não, é que depois dese grande amor, já vivi outro. Diferente, claro porque as pessoas não são iguais e eu também já não sou a mesma mas igualmente feliz.