domingo, 13 de dezembro de 2009

it's because you're brilliant


"agora vou mentindo a minha dor. fingindo que não estás e nunca estiveste e não podes sequer fazer falta. fingindo que te esqueço para me esquecer de mim e do buraco que deixaste. rompeste um pacto crucial das nossas vidas. pai, lembras-te? morreste. foste capaz. desculpa, pequenino. não tens culpa. é a saudade que te acusa. não sou eu. eu fiquei sem a força para lutar. eu fiquei com os dedos rompidos de sangue, os olhos rasgados de lágrimas, a pele quebrada de dor. acusar-te. pai, rompeste o nosso pacto. rompeste os nossos sonhos. não ficaste comigo para sempre, até eu ser velhinha, até seres velhinho. como me tinhas dito. foste embora sem te despedires e deixaste-me a remoer as mágoas e o remorso de te ter perdido para sempre. detonaste o pacto, pai. detonaste a vida com a calma da tua morte serena e sofrida. assim te foste, pai. antecipando a hora. acuso-te porque fizeste o que não estava previsto nos meus sonhos e não me deixaste o direito de sonhar contigo, por ti, connosco, por nós. acuso-te, pai, porque não me deixaste o direito de questionar porque te foste, porque o fizeste, porque sucumbiste como um nada."

in viveste, ana bárbara pedrosa (outubro, 2009)

2 comentários:

chapeu de sol amarelo disse...

O icon anda romantico...:-P

Icon disse...

chapéu: este post sugere que ando romântico? em que aspecto?